Adpec participa de curso sobre equidade de gênero no sistema de justiça

No último dia 06 de fevereiro, o vice-presidente Eliton Meneses participou, em Brasília, do curso “Defensores Públicos e Masculinidades: o papel do homem na construção da equidade de gênero no sistema de justiça”, a atividade foi o encerramento da campanha nacional de 2019 das defensoras e defensores públicos do Brasil intitulada Em Defesa Delas.

O curso, com duração de um dia, teve o objetivo de levantar questões relacionadas ao papel do homem e suas masculinidades no sistema de justiça atual e como ele pode afetar no nosso dia a dia. “Precisamos refletir como a masculinidade nos afeta, como lidar com isto e como se engajar nas mudanças que estão acontecendo. Hoje nós acolhemos e refletimos tudo isto”, pontuou Victor Valadares, psicólogo que do Núcleo de Atendimento a Família e Autores de Violência Doméstica e ministrador da conversa no período da manhã que foi realizada apenas com defensores e debateu as várias faces das masculinidades.


O momento também propiciou trocas de experiências em campos de atuação de variados defensores e defensoras que estavam presentes na busca da implementação de políticas públicas ligadas ao tema no sistema de justiça. “A experiência com o curso foi libertadora, saímos com o compromisso de ampliar o debate com mais atividades desse tipo em outros momentos e estados. Foram colocados em discussão novos paradigmas relacionados a equidade de gênero e à violência que existe no combate ao machismo, foi uma luz nova que se lançou aos que estavam lá. Considero os participantes do curso corajosos, tivemos a oportunidade de nos olhar como, muitas vezes, opressor, na condição de privilégio que o homem tem, e deixar de ser coadjuvante nessa luta para, juntamente com as mulheres, nos permitirmos ser proativos.”, comenta Eliton Meneses, presidente em exercício da ADPEC.


Além do psicólogo Victor Valadares, o curso foi ministrado pela coordenadora da Comissão dos Direitos da Mulher da ANADEP, Rita Lima, pela defensora pública do Pará Daiane dos Santos (Núcleo de Prevenção e Enfrentamento à Violência de Gênero), do defensor do Distrito Federal Alberto Amaral, da pós-doutoranda em Direitos Humanos e doutora em sociologia, Ana Paula Antunes e da coordenadora de Políticas de Promoção e Proteção da Igualdade Racial do Distrito Federal, Marjorie Chaves.



Deixe uma resposta