A Defensoria Pública do Estado do Ceará e a Defensoria Pública do Estado de São Paulo inauguraram, no dia 28 de junho, escritório conjunto para atuação perante os tribunais superiores, em Brasília. O descerramento da placa foi conduzido pela defensora Geral do Estado do Ceará, Mariana Lobo, pelo defensor geral do Estado de São Paulo, Davi Eduardo Depine, ladeados pelos defensores públicos que atuam na unidade de Brasília, Mônica Barroso (CE) e Rafael Munerati (SP). O presidente e a vice-presidente da ANADEP, Antonio Maffezoli e Thaísa Oliveira, participaram da solenidade. A Adpec foi representada pela presidente, Ana Carolina Gondim Ferreira Gomes.

Estiveram presentes à solenidade de inauguração a ministra do Superior Tribunal de Justiça, Maria Teresa Moura; os deputados federais do Ceará, Mauro Benevides e Chico Lopes; o defensor público geral da União, Carlos Eduardo Paz; a corregedora auxiliar do Estado de São Paulo, Clarissa Portas Batista da Luz; a secretária executiva da Defensoria do Estado do Ceará, Elizabeth Chagas; o coordenador do Núcleo de Segunda Instância, João Henrique Impéria; o diretor da Academia de Segurança Publica, Coronel Juarez; o procurador chefe de São Paulo em Brasília, Pedro Ubiratan Azevedo; o assessor do Conselho Nacional de Justiça, Renato De Vitto; os advogados João Paulo Sanches e Valéria Jaime Pelá e as oficialas de Justiça do STJ, Cristiane Oliveira, Letícia Cunha e Flávia Ladeira.
Defensores públicos de vários estados prestigiaram a solenidade como Emmanuel Leal Santana (CE), Francilene Gomes (CE), Laís Juca (CE), Bartolomeu Figueiredo (CE), Adriana Burguer (RS), Isabela Luna (PE), Ana Valeria Rufino (PE), David Brito (DF), José Marcos Mussolini (TO), Flávio Wandeck (MG) e Everton Brito (DPU).

O novo escritório conjunto é dotado de setor administrativo, recepção, sala de atendimento, gabinete dos defensores do Ceará e São Paulo, sala de reuniões e copa, localizado no edifício Venâncio 2000, no Setor Comercial Sul, e que servirá de apoio ao trabalho funcional e institucional dos defensores dos dois Estados da federação. A iniciativa permite a atuação estratégica da Defensoria, dividido custo e despesa, a troca de experiências, a reestruturação e o aprimoramento de uma atuação efetiva junto aos tribunais superiores, onde chegam diariamente milhares de recursos e pedidos de reconsideração que favorecem os assistidos mais vulneráveis dos dois estados brasileiros.

Informações e fotos: Ascom DPGE/CE

Compartilhe