No último dia 13 (quinta-feira), a ADPEC esteve presente no projeto Defensoria em Movimento, que estava há três dias no bairro Passaré, para a realização de um Roda de Conversa sobre a campanha anual dos defensores públicos intitulada “Defensoras e Defensores Públicos pelo direito à documentação pessoal: Onde existem pessoas, nós enxergamos cidadãos” que trata do acesso à documentação pessoal.
Durante o bate papo com os moradores do bairro, foi possível identificar situações como pessoas que nasceram em outro estado e perderam a certidão de nascimento original, nome dos pais grafado errado, inclusão do nome de pai, dentre outros. “Em razão de problemas mais simples como uma retificação de nome, bem como por casos mais complexos, as pessoas acabam por passar anos com a documentação pessoal errada, o que acarreta perda de direitos e dificuldades em acessar serviços públicos”, revela Ana Carolina Gondim, presidente da ADPEC.
O projeto Defensoria em Movimento esteve no bairro Passaré por três dias e a regularização fundiária foi a maior demanda recebida. Segundo a defensora pública e assessora de Relacionamento Institucional da Defensoria, Amélia Soares da Rocha, a questão de moradia é muito recorrente ao longo do projeto pelas localidades. “É algo que nós sempre soubemos que era importante, mas isso fica muito mais latente com a experiência da Defensoria em Movimento. Todo mundo precisa de endereço, a partir dele várias portas se abrem. É o seu lugar no mundo, de uma forma ou de outra, daí a importância desse tema”, explica Amélia.
Criada em novembro de 2017, a Defensoria em Movimento já beneficiou mais de 12 mil pessoas em localidades da capital e do interior do Estado. O projeto atende a uma reivindicação da sociedade no Orçamento Participativo da Defensoria Pública do Ceará. Ainda neste mês, estão programadas passagens pelos bairros Siqueira e Praia de Iracema.
Fonte: DPGE
Compartilhe