Termina nesta segunda (dia 25/4) o Mutirão Carcerário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no Ceará. Iniciado em 9 de fevereiro, o mutirão revisou os processos de presos condenados e provisórios do Estado e inspecionou as unidades prisionais.

O coordenador do mutirão, juiz George Hamilton, apresenta os resultados do trabalho em cerimônia no Fórum Clóvis Beviláqua, a partir das 14 horas. Representa o CNJ o coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (DMF/CNJ), juiz Luciano Losekann. A Adpec estará representada pelo presidente Fábio Ivo Gomes.

Mutirão Carcerário

Em 2009, o primeiro Mutirão Carcerário do CNJ no Ceará revisou os processos de cerca de 14 mil detentos, reconhecendo o direito à liberdade a cerca de 2,7 mil presos e outros benefícios a cerca de 4 mil presos que cumpriam pena em presídios do Ceará. No país, o programa do CNJ já analisou os processos de 248,8 mil detentos, libertou 29,3 mil deles e reconheceu direitos a 52,8 mil presos.

Compartilhe