Em estado de greve, deflagrado na última sexta-feira, os defensores públicos vestiram preto para assistir à homenagem que a Assembleia Legislativa prestou à Defensoria Pública por seus 15 anos de criação no Ceará. “Estamos demonstrando a insatisfação com o descaso do governo do Estado perante as nossas reivindicações”, justificou o presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado do Ceará-ADPEC, Adriano Leitinho. A partir do próximo dia 3, informou, a categoria fará paralisações pontuais de 24, 48 e 72 horas.
A sessão solene realizada pela Assembleia, de autoria do deputado José Sarto, segundo Leitinho, “além de ser um reconhecimento ao trabalho da Defensoria, é uma oportunidade para mostrar ao Poder Legislativo e à sociedade os problemas que enfrentamos para a realização de nossas atividades”, explica.
A Defensora Pública-Geral, Andréa Coelho, considera que a homenagem é mais que justa pela repercussão do trabalho realizado pelo defensor público. “A instituição, criada em 28 de abril de 1997, é essencial porque permite à maioria dos cidadãos o acesso à Justiça”, ressaltou.
Para a Ouvidora Geral Externa da Defensoria, Ana Virgínia Ferreira Carmo, “é importante esse reconhecimento do trabalho dos defensores públicos com a sociedade cearense, mesmo assim, é o momento de ir a luta com bastante atividades para poder crescer de forma unida e coesa para que o usuário possa estar mais satisfeito com o trabalho da defensoria pública”.
O deputado José Sarto, entende que se trata de um reconhecimento pessoal e de toda a Mesa Diretora da Assembleia ao trabalho feito pelos defensores públicos com a sociedade cearense e a população carente.
Também presente a solenidade, o deputado Lula Morais, afirmou estar à disposição da categoria. “Serei mais um soldado da luta do fortalecimento da defensoria pública do estado do Ceará”, conclui.
 

Compartilhe