Mesmo em greve geral, os defensores públicos integraram a equipe do sistema de Justiça na ação “Justiça no Cárcere”, que tem como objetivo dar maior agilidade aos processos judiciais de presos em regime semiaberto, aberta nesta terça-feira, 4, no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira – IPPOO1.

Para o presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado do Ceará-ADPEC, Adriano Leitinho, a categoria abriu esta exceção – de participar do mutirão -, para garantir que a ação, que visa dar maior celeridade aos processos executórios, seja realizada com sucesso.

Enquanto, quatro defensores públicos analisavam, ao lado de juízes e promotores, as demandas de regressão de penas de 150 presos, cerca de 50 defensores se concentraram no local com faixas alusivas à greve, ao mesmo tempo em que apresentavam para a imprensa os motivos do movimento da categoria.

 

Compartilhe