Para tratar da questão envolvendo a instalação do escritório de advocacia popular mantido pela prefeitura de Maracanaú, os representantes da Adpec, Adriano Leitinho, presidente, e Elizabeth Chagas, diretora jurídica, mantiveram, na última quinta-feira, reunião com o prefeito daquele município, Roberto Pessoa.

“Explicamos sobre a inconstitucionalidade daquela prestação de serviço, bem como de sua ilegalidade, tendo em vista que tal atividade, quando custeada pelo erário público, é privativa da Defensoria Pública”, afirma Adriano Leitinho, acrescentando que foi solicitado ao prefeito providências, no sentido de encerrar as atividades do referido escritório.

Roberto Pessoa informou que nesta segunda-feira estará se reunindo com o procurador geral do município e com os advogados que atuam no escritório, visando resolver o assunto.
A Adpec solicita aos defensores públicos que atuam naquele município para que fiquem atentos e mantenham contanto permanente sobre essa questão com a entidade.

 

Compartilhe