Adoção, união estável, união homoafetiva, nome de pai ou mãe afetivos na certidão de nascimento. Dúvidas sobre estes e outros temas ligados ao direito de família, mote central da campanha “Família Afetiva”, foram esclarecidas pelos defensores públicos nesta sexta-feira, durante a manhã de serviços realizada pela Associação dos Defensores Públicos e (Adpec), em parceria com a Defensoria Pública do Estado, na Praça do Ferreira. A força tarefa marcou o Dia Nacional da Defensoria, do Defensor e da Defensora Pública, celebrado em 19 de maio, em alusão a Santo Ivo, considerado o advogado dos pobres.

Mais de 100 pessoas foram atendidas, mostrando, mais uma vez, que a população vulnerável do Estado tem no trabalho dos defensores a porta de entrada para a Justiça. Além da orientação jurídica, foram ofertados serviços de saúde (vacinação, mediação de pressão arterial, prevenção à dengue e DSTs, com distribuição de preservativos), expedição de documentos (RG e CPF), doação de sangue ao Hemoce, e cortes de cabelo gratuitos.

Segundo a presidente da Adpec, Ana Carolina Gondim Ferreira Gomes, na atualidade, o grande eixo do direito de família é o afeto. Por isso, a Associação Nacional dos Defensores Públicos – ANADEP escolheu o tema Família Afetiva para ser trabalhado durante o Maio Verde, em parceria com as Associações Estaduais e Defensorias Públicas, com iniciativas que têm por objetivo aproximar os defensores públicos da população, atuando na educação em direitos. “É um momento muito gratificante para os integrantes da carreira celebrar o seu dia com orientação jurídica ao público de nossos serviços”, disse.

Ao longo da semana, a presidente concedeu entrevistas a diversos veículos de comunicação, falando sobre a campanha nacional, o trabalho dos defensores e a necessidade de orçamento para que os integrantes da carreira sejam ainda mais reconhecidos e que a Defensoria preste um trabalho cada vez melhor à população.

Compartilhe