ImO caso já havia corrido meia cidade. Um homem havia matado quatro membros de sua família de uma só vez. “Um negócio horroroso”, disseram os vizinhos, com certeza. A polícia interveio de imediato e o assassino acabou sendo morto. Por conta do episódio, o policial que apertou o gatilho teve que responder processo e recorreu a um advogado de ofício. José Sebastião Neto, hoje um defensor público aposentado, era quem respondia pela função em Itapajé. A gravidade do ocorrido gerou grande repercussão e os comentários eram os mais variados sobre a absolvição ou não do policial. Mas a defesa segura de Sebastião foi imperativa para o desfecho do caso: absolvido.

Tantos anos depois, Sebastião carrega consigo a firmeza comum a um líder. Nascido em Itapajé, município onde atuou como homem da Lei pela primeira vez décadas atrás, ele apresenta em seu discurso um conhecimento abrangente de seu ofício e a facilidade de se comunicar. Não à toa, tal eloquência o levou a iniciar sua vida profissional como jornalista, época em que atuou em badalados veículos de comunicação, como a Tribuna do Ceará, Jornal Unitário, Rádio Assunção, Rádio Verdes Mares, Rádio O Globo, Jornal do Commercio, Gazeta de Notícias, e em coberturas internacionais pelo Sistema Globo, Verdes Mares e Rádio Clube.

Antes de ser aprovado no vestibular para o curso de Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC), estudou em escolas em sua cidade natal, tendo em seguida passado a morar em Fortaleza e estudado nas escolas João Pontes e Liceu do Ceará. Ao concluir a faculdade, foi aprovado no concurso público para advogado de ofício, hoje defensor público. Como defensor, atuou inicialmente em Itapajé, época em que assumiu a Diretoria Regional da Secretaria de Justiça do Estado na área de advocacia de ofício, tendo sido o 2o advogado do Estado e 1o de sua terra a realizar um processo de divórcio.

Em sua trajetória, há passagens ainda nas comarcas de Sobral e Monsenhor Tabosa, onde também fez seu nome por conta de suas defesas. Em sua cidade natal, inclusive, tornou-se referência a ponto de ter sido vice-prefeito. Casado com a Sra. Maria Forte, Sebastião teve cinco filhos “Meu orgulho”, revela. E para além de interesses de atuação tão diversos, escreveu ainda dois livros: “História Política de Itapajé” e “Itapajé: Homens e Fatos”. E não dá o menor sinal de cansaço. Tanto é assim que continua a advogar na Câmara Municipal. Perguntado sobre o porquê de ter enveredado em duas profissões, Sebastião não titubeia. “Sempre tive inclinação para ajudar o outro. E o Direito e o Jornalismo têm o mesmo perfil: o de servir à população informando-lhe o que lhe é de Direito”, conclui.

Por Lucílio Lessa

Deixe uma resposta