A campanha “Mulheres, Nós Defendemos” chega ao bairro João XXIII nesta sexta-feira, 27 de março, a partir das 8h30min, em frente ao núcleo descentralizado da Defensoria Pública. No João XXIII, se encerra a primeira etapa da campanha, que consistiu na realização de eventos nos Núcleos Descentralizados da Defensoria Pública e também no bairro Ellery. A campanha iria se encerrar no dia 27, mas devido ao sucesso, o encerramento será apenas da primeira etapa e ela irá se prorrogar por tempo indeterminado. Agora, as defensoras públicas responsáveis pelo projeto irão capacitar multiplicadores sobre os direitos das mulheres, em locais como universidades, centros comunitários e nos próprios núcleos da Defensoria. “Estaremos realizando palestras para que possamos capacitar principalmente lideranças comunitárias que possam disseminar os conceitos sobre os direitos da mulher. Até agora, mais de mil pessoas foram beneficiados com o projeto, mas queremos aumentar ainda mais este número”, informa a defensora pública Ana Cristina Barreto, coordenadora da campanha.
Durante o evento do João XXIII, que deve contar com a participação de cerca de 200 pessoas, serão distribuídos exemplares da cartilha “Mulheres, Nós Defendemos”, material produzido pela ADPEC e pela Defensoria para orientar as mulheres sobre seus direitos. Também haverá atendimento e orientação jurídica, realizados por defensores públicos, além de serviços paralelos, como apresentações teatrais, serviços de saúde e recreação infantil. Promovida pela Associação dos Defensores Públicos do Ceará e pela Defensoria Pública, a campanha se iniciou em março deste ano e prossegue durante o mês inteiro, com o objetivo de contribuir para efetivar os direitos das mulheres no Estado. Ainda em março, serão realizadas palestras na Faculdade Cearense – FAC, na casa de caminho, um abrigo para mulheres em situação de violência, e no núcleo descentralizado da Defensoria Pública no Mucuripe. O objetivo das palestras e formar multiplicadores, orientando as mulheres sobre seus direitos, principalmente relacionadas à lei Maria da Penha.

Compartilhe