Defensores públicos pararam as atividades desde ontem, em todo o Estado, por 48 horas. Segundo Adriano Leitinho, presidente da Associação dos Defensores Públicos (Adpec), a falta de negociação com o governo estadual motivou a paralisação. “Estamos há mais de dois anos tentando negociar, mas não temos resposta”.
Entre as reivindicações dos defensores estão a autonomia, adequação de subsídios e preenchimento de vagas existentes. No Estado, 130 dos 415 cargos estão abertos, e 76% dos municípios permanecem sem representantes da defensoria. Além dos cargos a serem preenchidos, o ideal era de que houvesse mais 215 defensores no Ceará, segundo o presidente da Adpec. “Sem a defensoria, mais de 80% dos processos na justiça ficam parados”, disse ele, durante protesto na Assembleia Legislativa.
Se depois dos dois dias de suspensão o governo não iniciar as negociações, outra paralisação será realizada nos dias 4, 5 e 6 de junho. Em nota, a Defensoria Pública afirma que algumas reivindicações foram repassadas ao governador Cid Gomes e que foi solicitada uma resposta do Governo sobre uma nova reunião.
Durante a paralisação, serviços administrativos e institucionais continuam a ser oferecidos. Hoje ainda será realizada remarcação, orientação jurídica e atendimento de urgência. (Mariana Freire, especial para O POVO)
Jornal O Povo – Cidade
http://www.opovo.com.br/app/opovo/fortaleza/2012/05/22/noticiasjornalfortaleza,2843681/defensores-param-por-2-dias.shtml
 

Compartilhe