Não foi fácil encarar a chuva e uma forte ventania, mas os defensores públicos enfrentaram o desafio e pedalaram os seis quilômetros de saída e volta ao Aterro de Iracema, percorrendo toda a Beira Mar e a Avenida Abolição. Por um motivo mais que justificável: a campanha de valorização da categoria.
De camisa laranja, com tarja preta na manga esquerda – simbolizando o luto pelo não atendimento às suas reivindicações -, com os dizeres “Defensor Público em defesa do que é Direito”, os defensores pedalavam empunhando as bandeiras representando os municípios onde não há Defensoria Pública. O grito de ordem era: valorizar o defensor é valorizar o cidadão.
Ao final do trajeto, cerca de uma hora depois, os ciclistas, que tiveram o apoio de simpatizantes à causa, fincaram no aterro de Iracema as 136 bandeiras, cada uma com o nome de um município que não tem defensor público.
Para o presidente da Associação dos Defensores Públicos-ADPEC, Adriano Leitinho, esta é uma ocasião importante para a categoria que está expondo para a sociedade o momento vivido pelos defensores, as dificuldades enfrentadas para a realização do seu trabalho e a falta de atenção do governo estadual frente aos seus pleitos.
Desde o dia 20 de abril os defensores estão em estado de greve, já tendo realizado, no último dia 3, uma paralisação de 24 horas. Para este mês estão previstas mais duas paralisações, nos dias 21 e 22. A categoria vem buscando todos os canais de negociação com o governador Cid Gomes que, até então, não sinalizou a sua intenção de receber ou não os defensores para negociação.

 

Compartilhe